Ponto Focal – Importante para atrair o olhar do seu consumidor

O ponto de partida para qualquer projeto de Visual Merchandising é a relação entre a marca e produto. O resultado, é o valor que ele leva dessa união para o cliente. No PDV o Ponto Focal é um espaço onde os produtos são organizados com o objetivo de atrair a atenção do consumidor para uma determinada área ou produto. Ele pode ser trabalhado de modo criativo e dinâmico nas áreas internas ou na vitrine, podendo ser centralizado ou não e ainda, podendo existir mais de um ponto dentro do mesmo espaço.

Um dos recursos mais poderosos do VM é o ponto focal.


Dos cinco sentidos, a visão representa 83%* e é o mais tradicional deles pois na percepção das informações do dia a dia aprendemos muito com ela. O fato de sermos cercados por vários tipos de imagens, símbolos, textos que fazem parte das propagandas e comerciais, acaba causando dificuldade às empresas de varejo em chamar ou prender a atenção dos consumidores e mais ainda, fazer com que memorizem as informações que muitas vezes, parecem ser repetitivas ou sem diferencial. E, é exatamente aqui que trabalhar o ponto focal de modo acertivo e organizado para os produtos e recursos visuais, se faz necessário pois sua função principal é apresentar um determinado ambiente em destaque usando a visão como intermediária dessa ação.

A Italiana TOD’S é referência em utilização do recurso de Ponto Focal.


Qualquer coisa que provoque uma reação em algum dos órgãos dos sentidos, é um estímulo. E, os estímulos visuais tem características muito próprias como por exemplo, a proximidade, cor e iluminação. Conhecer essas particularidades é fundamental para quem trabalha com imagens com o objetivo de transmitir mensagens. Vale ressaltar que a visão é o sentido que faz vibrar o ser humano além de fazê-lo pensar e a partir daí, desfrutar as coisas do mundo.

O Ponto Focal pode ser utilizado para destacar produtos individualmente, em conjunto, lançamentos, promoções entre outros. A zona que chamamos de 100% é uma das áreas mais fortes e importantes dentro da loja ou na vitrine, por se tratar de um local onde os produtos são visualizados da melhor forma. Isso se dá porque o corpo humano utiliza a “lei” do mínimo esforço para economizar energia. Sendo assim, qualquer produto que não esteja visualmente acessível ou ao alcance, certamente não será o favorito do seu cliente no momento da compra.

Outra ação que devemos considerar é que nas gôndolas ou vitrines existem o que chamamos de ponto cego. Eles ficam nos pontos de visão periférica (extremidades) e existem porque os consumidores tem o hábito de visualizar o “centro ou meio” das coisas e nunca as pontas.

Visualizando a imagem acima, é possível perceber onde exatamente devem ser expostos os produtos focais destacando-os das demais áreas ao redor. Os setores de pontos focais podem ser realizados com o produto em si ou com o uso de cores, texturas, ou iluminação adequada e direcionada. Não exatamente ao mesmo tempo, estamos falando sobre as possibilidades de proporcionar destaque às peças utilizando um dos recursos citados.

Já nos espaços sinalizados como 50% é possível expor produtos que merecem uma atenção especial, utilizando elementos para atrair o olhar dos consumidores. Veja um exemplo na imagem abaixo da vitrine Zara e como o VM trabalhou a exposição da bolsa e sapatos na altura e espaços indicados de 50% de visualização.

Uma dica valiosa para destacar ainda melhor os produtos é apostar na altura certa. Os produtos devem ficar entre 1.20 e 1.60 de altura ou um ângulo limite de 45 graus do braço para cima ou para baixo. Lembrando que o melhor ponto visual está na altura dos olhos. Levando em consideração a média de altura brasileira, temos uma população com 1,60 (a mulher) e 1,73m (o homem).

Desse modo, nos espaços em que o olhar fique acima ou abaixo de 45 graus e para as extremidades, o ideal é utilizar produtos ou elementos menos importantes e nunca os seus produtos-chave.

Zara na Galleria Dallas – Ponto Focal totalmente trabalhado nas peças.

É preciso investir para criar um ponto focal? Não exatamente! Algumas marcas como a Louis Vuitton por exemplo, usam seus pontos focais como verdadeiras cenografias nas vitrines e dentro das lojas com diversos recursos e investimentos altíssimos. Já a Espanhola Zara, utiliza cenários mais limpos e discretos onde o foco principal está no produto exposto na vitrine.

E sim, é possível trabalhar estímulos visuais sem grandes investimentos, criando um agrupamento especial com os manequins da loja ou com os displays que já existem, com adesivagem ou mesmo repetindo um manequim que já está na vitrine com criações e montagens que apresentam os produtos de modo diferenciado.

Se a sua loja é pequena, o seu Ponto Focal pode ser representado por uma prateleira onde é possível colocar um produto em destaque e especialmente valorizado. Em lojas grandes displays e cenários cumprem essa função. Ao mesmo tempo em que decoram a área, chamam atenção do público e sinalizam os espaços a uma certa distância.

Fast Fashion Escandinava Monki – Recursos de cores para Pontos Focais.


Não deixe de utilizar este recurso a favor do seu negócio. Crie vários pontos focais ou somente um por área/setor. Um dos papeis do Visual Merchandising é criar esse ponto de modo diferenciado para a marca com toda a criatividade para estimular as pessoas através dos sentidos. Além disso, com uma exposição correta e bem executada, facilitamos a compra e economizamos o tempo do cliente e ainda movimentamos a rotatividade dos produtos aumentando as vendas.


Imagens Reprodução Via:

Google | Pinterest

Downtown Magazine

Zara – Imagem Zara store at Galleria Dallas (Photo by Mari Davis)

*(BESSA,2005)